quarta-feira, 28 de março de 2012

Deuses e gigantes do início dos tempos

No princípio do mundo, não existia nada. Não havia terra, nem relva, nem campo, nem mesmo havia o mar com suas frescas ondas, só havia um grande precipício que se chamava – Ginungagap. E esse grande precipício ansiava por ser preenchido...

Depois surgiram dois reinos,  ao Norte, Niflheim um deserto de  trevas e névoa congelada, e ao Sul Muspelheim,uma região de chamas violentas.

O Fogo subiu fagulhando e o gelo desceu através de doze rios. Ambos se espalharam pelo vazio do centro, onde eles se encontraram. O fogo plantou uma semente de vida no gelo e esse começou a derreter e pingar formando uma criatura enorme que nasceu rosnando. O seu nome era Ymir, o gigante do gelo, e ele era mau. Ymir foi o primeiro da raça dos devoradores.

 Do gelo derretido também nasceu uma vaca mugindo, chamada Audumbla e de suas tetas corriam quatro rios de leite onde o gigante Ymir se alimentava.



Por muito tempo existiram só a vaca de gelo e Ymir em Ginungagap. Mas certa vez, o gigante Ymir caiu num longo sono e profundo. Do calor de suas axilas foram gerados um gigante macho e uma gigante fêmea e de suas pernas outros gigantes devoradores foram criados.

A vaca Audumbla também gerou vida. Ela se alimentava lambendo blocos de gelo que eram salgados, ela não conhecia outro alimento. Ela precisava lamber muito para produzir alimento para Ymir  e toda sua ninhada de gigantes. À medida que lambia dia e noite, sua língua se aquecia e então derretia o gelo. Desse gelo que se derretia primeiro foram surgindo os cabelos do topo de uma cabeça. No final do segundo dia uma face já estava toda exposta, e no terceiro dia um deus com a forma humana completa emergiu por completo do gelo.

Esse deus era forte e belo e seu nome era Buri. Buri ganhou um filho chamado Bor, que casou com Bestla, a filha de um dos gigantes criados por Ymir. Bestla era muito bonita. Bor e Bestla tiveram três filhos: Odin, Vile e Ve. Eles eram deuses altivos e sagrados. Eles tinham o poder de criar o mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário